domingo, 30 de janeiro de 2011

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

A vida dentro da fábrica suicida do Iphone


Toda manhã, 'as 6h45, milhares de jovens trabalhadores correm para o portão norte da planta Longhua, a principal fábrica da Foxconn, um edifício de alta segurança cercado por dormitórios.
As meninas vestem casacos cinza e rosa. Os meninos estão de preto ou terno azul escuro. Todos têm um crachá magnético pendurado no pescoço, necessário para entrar no dormitório e nas proximidades da fábrica.
Na cidade de Longhua, cada prédio tem redes de segurança instaladas nos telhados e cabos de aço nas janelas para evitar que trabalhadores cometam suicídio. No entanto, um menino de 23 anos de idade se atirou do quarto no último mês de novembro: foi o 14˚ suicídio da fábrica Foxconn só este ano, de acordo com grupos de trabalho chineses.
Todos os trabalhadores comem uma sopa de macarrão por 3 yuans (R$ 0,76) no caminho para o trabalho. Eles são muito jovens: têm entre 17 e 24 anos.
Na fábrica Longhua, os 32 mil empregados produzem iPads, iPhones de quarta geração, os smartphones da Nokia, os cartuchos da HP, Sony Playstation e laptops da Acer e Dell.
Independente de estarem no turno do dia ou da noite, a maioria dos trabalhadores gastam 12 horas por dia, seis dias por semana, no chão da oficina. Eles têm um intervalo de apenas 10 minutos a cada duas horas e não estão autorizados a falar uns com os outros. “Desde os suicídios, muitas coisas mudaram: podemos sentar durante o trabalho e os nossos gestores foram ensinados a ser menos grosseiros conosco'' , conta o funcionário Liao Ting.
Após três aumentos desde junho, Liao agora ganha 3,2 mil yuans por mês (R$ 811), incluindo horas extras. Sua situação é muito melhor se comparada com a de maio, quando sua renda era de 1,2 mil yuan (R$ 304). Ele vem trabalhando na linha de montagem do iPhone 4G há oito meses.
No entanto, Liao culpa a Foxconn pela enorme pressão no trabalho. “Em troca do aumento salarial, me cobram um aumento de produtividade de 40%. Todos os dias tenho que verificar a pintura de 8 mil iPhones''. Liao Ting lamenta a falta de simpatia dos seguranças ou gerentes causada pela imensidão da fábrica e sua solidão em seu dormitório.




Tempos Modernos. Navios Negreiros seriam chamados como hoje em dia? E tudo isso...descaradamente patrocinado.



terça-feira, 11 de janeiro de 2011

Embaixo d'água





Palmas e mais Palmas...
Mais uma vez a história se repete...
20 anos com os mesmos BANDIDOS no poder...

Quer Saber?
VIVA o Carnaval...



A minha TV está louca...
Me mandou calar a boca e não tirar a BUNDA do SOFÁ...