domingo, 28 de fevereiro de 2010

Infância perdida


Doze anos acredito eu...
Arrasta o caixote pesado nos ombros magros...
As mãos sujas de graxa preta carregam algumas moedas como gorgeta...

Paro e volto meus olhos para o menino que não transmite sorrisos.
A noite passa lentamente e os meus prazeres se dissolvem involuntariamente num copo gelado de cerveja.
Distraio-me com a incessante tentativa daquele corpo infantil realizar seu trabalho
e abandonar a sua infância em alguns sapatos renovados...

Fernando Resende

7 comentários:

  1. andando por aí, cheguei até vc... Me atualizando de.
    Voutao, eim!
    Bjs, meus.

    ResponderExcluir
  2. É por isso que Peter Pan preferia viver na Terra do Nunca mas a questão que não quer calar é: "Como faz para viver entre os dois mundos e ainda assim, ser feliz?"

    Beijo

    p.s-Você tá bem??

    ResponderExcluir
  3. É triste, Mas são poucos que observam com os mesmos olhos que você.

    que saudade.

    ResponderExcluir
  4. bonito de verdade!
    e esse nariz de palhaço aí?
    tá me copiando?
    haha
    :*

    ResponderExcluir
  5. Quantos sorrisos absortos... Quantos mundos imaginários dentro da caixa de ferramentas. Quantas cenas coloridas em sua íris... E ninguém vê, porque perderam a capacidade de enxergar...
    É...

    ResponderExcluir

Rasuras